MUNDO CONTEMPORÂNEO – MARCELO ULGUIM

888888 FOLHEAR REVISTA REVISTA CONTEMPORÂNEA

Marcelo Ulguim é gaúcho e apaixonado por São Paulo, tem 26 anos e está se formando em  Gestão de Recursos Humanos. Ulguim se intula aprendiz de escritor, mas é um poeta de mão cheia. Confira sua impressão sobre esta edição da Revista Contemporânea:

A mulher contemporânea (ou não) merece irrefragavelmente muita admiração e respeito! Afinal, nos dias de hoje, quantos papéis uma mulher é capaz de assumir? Pra um homem, chega a ser difícil descrever tamanha versatilidade, mas deixe-me tentar: existe mulher mãe, mulher pai, mulher trabalhadora, mulher dona de casa, mulher esposa, mulher feminina, mulher independente, mulher prefeita, mulher ministra, mulher presidente, tem até mulher “macho”… Esses são alguns dos papéis que uma mulher é capaz de assumir. Eu disse alguns! E quando elas assumem (o que é comum) mais de um deles simultaneamente? E quando assumem todos? Ufa! Com toda certeza o papo de “mulher é o sexo frágil” caiu por terra, Shakspeare que perdoe-me.


Tenho o grande prazer de trabalhar num ambiente rodeado por inúmeras mulheres. Convivo com várias histórias de luta e personalidades dessas que exercem diversos papéis ao mesmo tempo, sempre com a beleza, a leveza e a sensibilidade que somente uma mulher é capaz de manter. Enfim, a mulher contemporânea é força, é inspiração é “camaleoa”. PARABÉNS MULHERES, PELO SEU DIA, PELO SEU MÊS, POR SUA ERA!


Fernanda Montenegro, grande diva dos palcos e da televisão brasileira, é um ótimo exemplo da mulher contemporânea, mesmo nascida numa época onde as mulheres ainda eram nulas e reprimidas, ela sempre “esteve contemporânea”, ou seja, sempre esteve à frente do seu tempo. Uma mente lúcida, uma competência incomparável, valores fortes e bem resolvidos (como pode-se ouvir na gravação da entrevista) qual o resultado? SUCESSO!

Ela disse:

“Um outro conceito me seduziu bem mais: o da liberdade. A noção de que (…) poderíamos escolher nosso rumo e de que nossa sexualidade nos pertencia”

Por isso ela é e sempre será uma diva! Mantém a mente aberta, compreende a vida, aceita, interpreta! SALVE FERNANDA!


Adorei o MAPA DAS SENSAÇÕES deu saudade de Sampa.

Os leitores que não ousem perder esse link! É ótimo. Só podia ter umas imagens complementando os áudios né?

O MUNDO PESSOA também é show! Já salvei os dois na minha lista de favoritos!


Parabéns Simone, Maria Emília e Cris Persicano! Esta 3° edição da Contemporânea está muito legal, é um prazer poder apreciar esse conteúdo e mais uma vez fazer parte dessa equipe dessa equipe. Aliás, equipe em que sou o único homem né? Ah! Já estou acostumado a estar sempre entre mulheres…. Porque será? (risos)

Ósculos e amplexos pra vocês gurias! E para todos os leitores! (sou fino pra mandar beijos e abraços viram? hahaha)

()

Até a próxima!

Marcelo Ulguim

www.mulguim.com

(

()

RC – EDIÇÃO II – Por Marcelo Ulguim

()

()

Inicialmente, gostaria de expressar a honra que sinto ao passar a fazer parte da equipe Contemporânea.

Ao acaso e com muita sorte, pude acompanhar a primeira edição da revista, sendo atraído e seduzido pela temática atual, variada, simples – ao mesmo tempo arrojada – vagueando por suas páginas e curtindo o sabor do “estar contemporâneo”.

*************************************************************

Quanto à segunda edição da nossa jovem e promissora revista, só tenho a preconizar. Permanece seguindo seu ideal, publicando temas hodiernos e interessantes, consolidando nosso “mundo contemporâneo” on line. Segue proporcionando informações de qualidade, interação e prazer aos leitores.

Falando em qualidade e prazer! Que tal a matéria de capa? Com a lúdica, colorida, excêntrica e ABALIZADA ILUSTRADORA Jana Magalhães?  Gente! Uma pessoa que consegue transmitir carisma através das palavras (me refiro à entrevista) é no mínimo encantadora! Considerando essa peculiaridade, não é difícil imaginar o porque do sucesso de Jana como ilustradora. Em seu trabalho percebe-se claramente sua capacidade de percepção, sensibilidade e a sua paixão pelo que faz. Adorei o trabalho dessa linda e NOVA MAMÃE carioca, adorei a entrevista, ADOREI TUDO!

OBS: Nos exemplos ilustrativos da matéria não vi nenhum menino. Vou fazer contato com a Jana! Quero uma ilustração minha! (risos)

****************************************************************

Não posso deixar de destacar a contribuição de Cris Persicano, que nos traduz em palavras, de forma apuradíssima, a sua visão empírica e apaixonante da gigante São Paulo.

Eu moro em Porto Alegre, nasci e fui criado por aqui. Vou frequentemente a São Paulo, geralmente a passeio, e quando li o texto senti exatamente a mesma sensação que sinto quando estou por lá. Ela conseguiu transmitir com perfeição o que se passa na “CIDADE QUE NÃO DORME”. E não dorme mesmo! O hotel em que me hospedei, das últimas vezes em que visitei a cidade, fica na Paulista e, é impressionante o movimento de carros e a circulação de pessoas o tempo inteiro.

Aventurando-me pela noite, acompanhado por um amigo, via muita gente em todos os lugares. Bares lotados, boates abarrotadas, algumas ruas adjacentes à Paulista atestadas, lanchonetes cheias. Meu Deus! Quanta gente! Ninguém dorme nessa cidade? Era o que eu pensava, já um tanto transtornado com tanto movimento.

São Paulo, apesar de todos os problemas mencionados por Cris, é extremamente sedutora. Encanta com tantas opções, com toda a diversidade e com sua grandeza, principalmente pessoas como eu, que vêm de cidades menores e que AINDA dormem.

Parabéns Cris Persicano! Curti muito a sua sensibilidade aos detalhes, que proporciona a nós leitores, a “magia” de poder imergir no texto e interagir com ele.

*************************************************************

Bom galera! Por ora só tenho mais é agradecer à grande fundadora e editora Simone Costa e aos demais colaboradores da Contemporânea, pela dedicação e empenho ao propiciar a nós leitores, esses momentos de informação, lazer e entretenimento que fazem parte do MUNDO CONTEMPORÂNEO.

Até a próxima!

Marcelo Ulguim

www.mulguim.com


Anúncios


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


Carta ao Leitor

A inabilidade de ser igual e o desejo de personificar a existência é que enche as prateleiras e estantes de livros, filmes e CD’s.

Vida organizada, distribuída em capítulos e episódios: isto é Arte.

Desde que somos crianças adoramos ouvir histórias e contos de fadas. Crescemos e nos rendemos aos filmes e novelas, ir ao cinema e ao teatro. A ficção está por toda a parte e nos ajuda com a realidade da vida.

Inventar pode ser uma catarse, nos desplugando – por alguns instantes – de um mundo exigente e repleto de cobranças, nos fazendo migrar para um faz-de-conta, feito de formas, sinais e tramas que independem de tempo e espaço. Algo análogo, onde o prazer fala alto. É uma bela saída para recontruir-se e reinventar-se. Isto explica um médico ter uma banda de Rock, um dentista fazer trabalhos de marcenaria nas horas vagas, uma psicóloga compondo versos durante as noites, uma arquiteta costurando bonecas entre um e outro projeto. A fome pelo conhecimento e sensibilidade é ilimitada.

Nossa matéria de capa trás uma profissional da ficção: Fernanda Montenegro. Ela garante que resolve(u) no palco toda a sua fantasia. Em entrevista ao jornalista Armando Antenore Fernanda fala sobre Simone de Beauvoir e a grande influência de o “segundo sexo” em sua vida, de feminismo e do existencialismo. Conta sobre o pacto de fidelidade que fez (e cumpriu) com Fernando Torres, e responde certeira sobre o possível antagonismo de ser feminista e mãe.

Por sorte a ficção não é exclusividade dos artistas e literatas, é sim uma reserva acessível e democrática. O cobrador de ônibus, o eletricista, o pedreiro, o taxista…todos acreditam que suas vidas possam se tornar um livro, um filme, uma música. Afinal são protagosnistas de suas próprias histórias. O desejo de contar sinaliza a ânsia que qualquer um tem de ser incomum.

Neste mês de março, em que se celebra a mulher por todos os cantos, o “universo conspirou” e estamos rodeados de mulheres – notáveis – que aderiram a esta empreitada participativa da Contemporânea: Cris Persicano em seu ARTIGO DEFINIDO fala sobre a MULHER MODERNA que faz acontecer, Maria Emilia Genovesi é convidada do ARTIGO INDEFINIDO e – como que num grito – convida, MULHER: VAMOS EM FRENTE? Na recém criada página POESIA CONTEMPORÂNEA a participação da portuguesa Sylvia Beirute com poesias profundas e pensantes, solidifica o desejo da REVISTA CONTEPORÂNEA em estreitar laços e interagir com a CPLP.

Para arrematar toda essa história de mulheres e mais mulheres, o MUNDO CONTEMPORÂNEO é a análise desta edição terceira por MARCELO ULGUIM, nosso comentarista.

Feita – providencialmente – por mulheres, sugiro que essa edição – também – seja degustada por homens inteligentes que apreciem nossos feitos, nossas conquistas e nosso espaço.

Boa leitura,

Simone Costa
Editora

Inspirada pelo poeta Fabrício Carpinejar

Siga a Contemporânea…

Aos 80 anos Fernanda Montenegro declara: “Toda a minha fantasia eu resolvi no palco”


%d blogueiros gostam disto: