PERSONA CONTEMPORÂNEA

FOLHEAR REVISTA CONTEMPORÂNEA888888888888

Vanessa Lampert - III Selo Persona Contemporânea

O Selo Persona Contemporânea homenagea – a cada edição – um profissional que destaca-se na literatura, nas artes, na cultura ou no intretenimento virtual. Por sua contribuição peculiar e reveladora.


Nesta terceira edição  O Persona Contemporânea vai para a Artista e escritora VANESSA LAMPERT por seu relevante trabalho de “caça créditos” que faz no site AUTOR DESCONHECIDO.

Você tem um texto de autor desconhecido?

Gostaria de conhêce-lo?

Já viu seu texto publicado com créditos para outra pessoa?

Quer resolver?

Fale com a Vanessa…


AUTOR DESCONHECIDO

Vanessa Lampert

Da primeira vez chegamos à noite, olhamos a estátua, a máquina de escrever, a agenda, os jornais e a caneta bic empoeirados sobre o banco, o olhar perdido no horizonte, observando a bela paisagem da orla do Leblon.

– Quem será esse? – Perguntei para o Davison, já procurando uma placa que identificasse a estátua. Absortos em nossa ignorância, não encontramos o nome do cara em lugar algum. Chegamos então à conclusão de que se tratava de uma homenagem ao Autor Desconhecido.

Sim, aquele mesmo que escreve os textos mais legais da internet, que a gente recebe por e-mail, lê em sites, em blogs e até em muito jornal por aí. O Autor Desconhecido é o profissional mais altruísta que existe, ele não quer divulgar seu nome nas coisas que escreve, seu intuito é apenas produzir para jogar ao vento, para espalhar a arte, para que o resultado de seu árduo trabalho seja de domínio público, como uma mente completamente desapegada, como a mãe que joga seus lindos filhos no mundo para que todos possam ter a oportunidade de carregá-los no colo. Ela vira as costas, não deixa nome, telefone, nem endereço, não deixa rastro. Definitivamente, um cara desses merece uma homenagem.

Dia desses resolvi voltar lá, para tirar foto da estátua do Autor Desconhecido. Uma garoa fina me acompanhou até que eu alcançasse o final do calçadão do Leblon, onde repousa a justa homenagem. Um gari, sentado ao lado da escultura atrapalhava a minha foto. Resolvi sentar ali perto enquanto aguardava que o homem retomasse seu trabalho. Em vão. Levantei e olhei para os pertences do Autor Desconhecido, sua caneta, agenda, jornal e máquina de escrever…a garoa retirou a poeira e pude ver que havia, no jornal, algo escrito. Me aproximei e li: “Zózimo”. Pensei alto:

– Não acredito que esta é a placa. – O gari ouviu e me explicou, em tom importante:
– Esse é o Zózimo.
– Ele era jornalista – Explicou o pipoqueiro, sentado próximo, ao que o gari completou, apaixonado:
– É, tinha uma coluna no Jornal do Brasil. Na verdade ele é mais do que isso. É o símbolo do carioca que sai do trabalho, olha o mar, observa a paisagem. Sem essa estátua o Leblon não seria o Leblon.

Após uma rápida aula do gari sobre a vida e obra de Zózimo Barroso, tirei minhas fotos, com os dois ao fundo, porque agora faziam parte do contexto, não?

Aprendi com tudo isso o que eu já sabia: não havia homenagem alguma ao Autor Desconhecido simplesmente porque não existe o Autor Desconhecido. O que existe é a preguiça e a falta de atenção que nos faz passar reto pela identidade do autor, a preguiça de retirar a poeira sobre as letras e descobrir quem escreveu aquele texto. O autor desconhecido não existe. É só procurar um pouco e rapidinho a gente descobre quem ele é. É só ter um pouquinho de paciência e humildade para descobrir, nem que seja através de um gari.

O Zózimo de bronze, no entanto, torna-se o espelho de tantos autores desconhecidos que têm seus textos roubados e repassados sem autoria ou até mesmo assinados por outra pessoa. O legal da internet é poder divulgar textos interessantes, espalhar o que nos chama a atenção, mas sempre respeitando o trabalho alheio, colocando os devidos créditos e não repassando texto sem autor. Sempre checar, aliás, a autoria dos textos que recebemos por e-mail, fazendo uma rápida pesquisa no google com uma frase do texto entre aspas.

Enchi tanto o saco dos meus amigos (e da lista de amigos deles) com esse papo de respeito ao trabalho dos outros quando eles me mandavam textos que eu recebia sem autoria ou com autoria equivocada que hoje em dia ninguém mais me manda nada e eu fico sabendo pelos outros do que anda circulando na internet. O problema é que quando esses textos saem da internet para a coluna de alguém em um jornal, por exemplo, ou como texto de estudo em uma sala de aula, a coisa complica. Dá a impressão de que escrever não é trabalho e que um texto brota do nada, assim, no papel, se auto-escrevendo.

Fiquei sabendo dia desses de um texto para o qual estou fazendo operação caça-créditos que foi parar em uma coluna de jornal sem que fosse citado o autor. Não é o único, eu sei, e a pessoa que o publicou certamente o fez achando que ele havia sido escrito pelo tal Autor Desconhecido do início deste post. A partir do momento em que constatamos a inexistência dessa entidade, nos deparamos com um problema grave. Não é frescura querer que seu nome esteja atrelado a seu trabalho porque o escritor não tem outra forma de ter seu trabalho reconhecido e divulgado, ou seu nome vai com o seu texto, ou seu texto vai e seu nome fica.

Então, por Zózimo, tenhamos um pouco de respeito pelos escritores que abrem seu talento aqui na internet e façamos, cada um, a nossa parte. Tenho falado sobre isso aqui há muito tempo, mas agora decidi que algo mais específico deve ser feito. Pensando nisso, acabo de criar este blog, onde reunirei os textos roubados, falarei de seus autores e farei aqui uma espécie de “banco de dados de textos perdidos”, para facilitar as buscas de quem recebe texto sem autor. A idéia é transformar, em um futuro próximo, o blog em um site, com mecanismo de busca rápida de textos dentro de seu próprio conteúdo.

Já tenho bastante material, mas vou postando aos poucos. Sim, os textos são fantásticos, por isso mesmo devemos respeitar seus autores. Dizer que um texto não tem autor é mentira, atribuir a autoria a outra pessoa, é roubo. Repassar texto sem autor ou roubado, é conivência.

O Autor Desconhecido não existe, todo texto tem autor, nenhum texto se auto-produz. Escrever é trabalho e os escritores que disponibilizam seus textos na net não se importam se você quiser enviar para algum amigo por e-mail ou postar em seu blog, desde que dê os devidos créditos ao autor. E o que é dar os créditos ao autor? É um troço fácil: é só colocar no nome do autor no início ou no final do texto.

Questão de respeito, Internet é só mais um meio de transportar informações, não é uma outra dimensão em que nossos valores e princípios podem ser jogados no lixo assim. Somos pessoas lidando com pessoas, como em qualquer outro lugar, qualquer outra situação. Respeito. É o que pedimos. Simples assim.

Aqui reunirei os textos órfãos aos seus pais. Há tempos fazemos o que eu chamo de “operação caça-créditos” procurando textos de “autor desconhecido” cujos autores eu conheço :) e avisando, site por site, da autoria. Muitos sites têm colaborado conosco, mas ainda somos formiguinhas muito pequenas nessa tarefa. Com os textos reunidos aqui e o depoimento dos autores, será mais fácil obter a ajuda de vocês para este trabalho. Vamos nos divertir na internet sim, mas sem desrespeitar o trabalho alheio, assim todo mundo fica feliz e cumpre seu papel.

Fale com a Contemporânea e participe da indicação para o próximo Selo Persona Contemporânea

simonealcosta@gmail.com

parceriacontemporanea@gmail.com



Anúncios


  1. Bem, Simone, leitores, eu tinha de escrever, inevitável. Ao menos para dar o ar da graça, e a graça da gratidão pelo reconhecimento. Um espaço tão ágil e saudavelmente febril, criativo como este, e logo eu, na arrancadam ganhar o epíteto de “Persona Contemporânea”, puxa… Fiquei mais bobo do que já sou. Espero que não tenham notado.

    Abraços do leitor e parceiro.

  2. Simone, de onde você tirou esse cara? A literatatura brasileira atual revela cada um. Esse é mais que um, único. Originalíssimo, ser mergulhado até o fundo (Vinte Mil Léguas Submarinas?) do mar verbal onde a palavra surpreende de tudo que é jeito. Aliás, ele leva jeito.

    Beijos e parabéns pela revista.

  3. Sou viciada em sites culturais, mas não em sites assim, que tratam a cultura como numa sala de visitas, todo mundo pouco à vontade. Aqui o escritor que declara seu imenso amor à palavra declara, ao mesmo tempo, seu imenso amor à vida. Como este site. Palmas para a Simone e o Paulo. Estão começando muuuuito bem!

  4. Este texto deixa a gente sem chão. Ou melhor, com mais chão. E mais oxigênio para respirar. Muda o mundo, muda a literatura. É de ficar espantada. E voltar e reler tudo de novo.

    1. Gostaria de saber se você estudou na faculdade tibirica

      1. Oi…sou do Rio de Janeiro. Estudei na UCB

  5. Oi Simone

    Entrei na sua revista e fiquei de boca aberta com sua proposta e iniciativa. Muito bacana e diferenciada.
    E claro, fiquei honradíssimo de você me colocar como homenageado. Adorei a menção.

    Saudações contemporâneas e um abraço,

    Paulo Baroukh

  6. Bom dia! Vanessa eu não a conhecia, mas já tem minha admiração pelo que faz. Isso é amor ao próximo. Tarefa árdua e importante, quando temos tantos descuidados e até “esquecidos” soltos.

  7. […] os registros, coisa que gostaria de fazer. Descobri que o Autor Desconhecido recebeu menção na terceira edição da Revista Contemporânea. Fui a “Persona Contemporânea” da edição, mas a homenagem não foi para mim, foi […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


Carta ao Leitor

A inabilidade de ser igual e o desejo de personificar a existência é que enche as prateleiras e estantes de livros, filmes e CD’s.

Vida organizada, distribuída em capítulos e episódios: isto é Arte.

Desde que somos crianças adoramos ouvir histórias e contos de fadas. Crescemos e nos rendemos aos filmes e novelas, ir ao cinema e ao teatro. A ficção está por toda a parte e nos ajuda com a realidade da vida.

Inventar pode ser uma catarse, nos desplugando – por alguns instantes – de um mundo exigente e repleto de cobranças, nos fazendo migrar para um faz-de-conta, feito de formas, sinais e tramas que independem de tempo e espaço. Algo análogo, onde o prazer fala alto. É uma bela saída para recontruir-se e reinventar-se. Isto explica um médico ter uma banda de Rock, um dentista fazer trabalhos de marcenaria nas horas vagas, uma psicóloga compondo versos durante as noites, uma arquiteta costurando bonecas entre um e outro projeto. A fome pelo conhecimento e sensibilidade é ilimitada.

Nossa matéria de capa trás uma profissional da ficção: Fernanda Montenegro. Ela garante que resolve(u) no palco toda a sua fantasia. Em entrevista ao jornalista Armando Antenore Fernanda fala sobre Simone de Beauvoir e a grande influência de o “segundo sexo” em sua vida, de feminismo e do existencialismo. Conta sobre o pacto de fidelidade que fez (e cumpriu) com Fernando Torres, e responde certeira sobre o possível antagonismo de ser feminista e mãe.

Por sorte a ficção não é exclusividade dos artistas e literatas, é sim uma reserva acessível e democrática. O cobrador de ônibus, o eletricista, o pedreiro, o taxista…todos acreditam que suas vidas possam se tornar um livro, um filme, uma música. Afinal são protagosnistas de suas próprias histórias. O desejo de contar sinaliza a ânsia que qualquer um tem de ser incomum.

Neste mês de março, em que se celebra a mulher por todos os cantos, o “universo conspirou” e estamos rodeados de mulheres – notáveis – que aderiram a esta empreitada participativa da Contemporânea: Cris Persicano em seu ARTIGO DEFINIDO fala sobre a MULHER MODERNA que faz acontecer, Maria Emilia Genovesi é convidada do ARTIGO INDEFINIDO e – como que num grito – convida, MULHER: VAMOS EM FRENTE? Na recém criada página POESIA CONTEMPORÂNEA a participação da portuguesa Sylvia Beirute com poesias profundas e pensantes, solidifica o desejo da REVISTA CONTEPORÂNEA em estreitar laços e interagir com a CPLP.

Para arrematar toda essa história de mulheres e mais mulheres, o MUNDO CONTEMPORÂNEO é a análise desta edição terceira por MARCELO ULGUIM, nosso comentarista.

Feita – providencialmente – por mulheres, sugiro que essa edição – também – seja degustada por homens inteligentes que apreciem nossos feitos, nossas conquistas e nosso espaço.

Boa leitura,

Simone Costa
Editora

Inspirada pelo poeta Fabrício Carpinejar

Siga a Contemporânea…

Aos 80 anos Fernanda Montenegro declara: “Toda a minha fantasia eu resolvi no palco”


%d blogueiros gostam disto: